Notícias

Voltar

 

Notícia publicada no dia: 17/08/2016

Emprego na construção civil recua pelo 21º mês em junho

 

 

 

O nível de emprego na construção civil caiu 1,18% no mês de junho na comparação com maio. Foi a 21ª queda consecutiva, desde outubro de 2014, segundo o Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (Sinduscon-SP), em parceria com a Fundação Getulio Vargas (FGV), com base no Ministério do Trabalho e do Emprego (MTE).

Variação do emprego em junho
Resultado da construção civil por região
-1,51-1,48-0,8-0,170,12-1,18NordesteSudesteSulNorteCentro-OesteBrasil-1,5-1-0,50-20,5
Fonte: Sinduscon-SP

Com o fechamento de 33,02 mil postos de trabalho, o saldo de trabalhadores ficou em 2,76 milhões. No primeiro semestre de 2016,  foram cortaras 139,1 mil vagas no setor.

O saldo de postos perdidos em 12 meses é de 465 mil vagas. Desconsiderando efeitos sazonais, o número de vagas fechadas em junho foi de 43,8 mil (-1,56%).

Segmentos e regiões
A categoria "obras de instalação" caiu 1,70% em junho na comparação com maio, seguido de "imobiliário" (-1,51%). No acumulado do ano, contra o mesmo período do ano anterior, o segmento imobiliáriotem a maior queda, de -17,89%. 

A deterioração do mercado de trabalho afeta quase todas as regiões do Brasil, sendo que os piores resultados foram observados no Nordeste (-1,51%) e Sudeste (-1,48%). Apenas o Centro-Oeste apresentou alta (0,12%).

Estado de São Paulo
Em junho, houve queda de 1,32% no emprego em relação a maio no estado de São Paulo, com redução de 9,86 mil vagas. O estoque de trabalhadores foi de 746,1 mil em maio para 736,3 mil em junho. Desconsiderando a sazonalidade, houve queda de 2,20%.

No período, o segmento imobiliário respondeu pelo pior desempenho, com recuo de 1,80%, acompanhado por de obras de instalação, que caíram 1,65%. Na capital, que responde por 45% do total de empregos no setor, a queda em junho em relação ao mês anterior foi de 1,62% (-5.465 vagas). Em 12 meses, São Paulo registrou retração de 13,32%. 

Entre as Regionais do SindusCon-SP, Santos apresentou a maior queda (-2,47%), seguido por Campinas (-1,60%). Apenas Santo André registrou alta (0,79%).