Notícias

Voltar

 

Notícia publicada no dia: 26/02/2016

87% dos micro e pequenas empresas não têm intenção de tomar crédito

Dados do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) mostram que 86,7% dos micro e pequenos empresários (MPEs) não têm a intenção de procurar crédito pelos próximos três meses. O indicador mensal registrou em janeiro apenas 12,15 pontos e ficou abaixo dos 13,14 pontos do mês anterior.

A escala do indicador varia de zero a 100. Quanto mais próximo de 100, maior é a probabilidade de os empresários procurarem crédito e, quanto mais próximo de zero, menos propensos eles estão para tomar recursos emprestados para os seus negócios.

Para o presidente da CNDL, Honório Pinheiro, a forte desaceleração da economia e o ciclo recente de alta dos juros são dois fatores que contribuem para o cenário atual. "O primeiro fator afeta a confiança dos empresários, ao tornar mais arriscado assumir compromissos de longo prazo, e o segundo eleva o custo do capital, de modo que o tomador de crédito pague um 'preço' maior, na forma de juros", diz.

Para 43,1% dos MPEs que não pretendem tomar crédito, é possível manter seu negócio com recursos próprios. Outros 31,4% se justificam dizendo que no momento não pensam em fazer investimentos que exijam a contratação de crédito.

Entre os empresários que manifestam a intenção de contratar crédito nos próximos 90 dias, a modalidade mais citada foi o microcrédito, mencionada por 32,8%. Já o cartão de crédito empresarial é citado por 13,1%. O crédito contratado deverá destinar-se principalmente à compra de maquinário e computadores (41%) e para capital de giro (31,1%).

71% não pretendem investir
O Indicador de Propensão a Investimentos também registrou baixo patamar, que demonstra que a recessão econômica também afeta os planos de expansão dos micro e pequenos empresários. Na comparação entre novembro e dezembro, o indicador caiu de 25,16 pontos para 24,68 pontos, sendo que quanto mais próximo de 100, maior é a propensão ao investimento.

Em termos percentuais, 71,7% não pretendem realizar nenhum investimento nos próximos três meses. Os que pretendem investir somam apenas 21,25%.

O principal investimento a ser realizado pelos entrevistados é a reforma da empresa, mencionada por 41,2%. Também aparecem com destaque investimentos em mídia e propaganda (31,8%) e a ampliação dos estoques (31,2%). Entre eles, a maioria pretende usar capital próprio (66,5%) e outros 25,3% pretendem recorrer a empréstimos em bancos e financeiras.

O reflexo da crise econômica sobre a decisão de investir fica evidenciado quando 81% dos micro e pequenos empresários dizem não considerar que este é um bom momento para ampliar o seu negócio. Entre aqueles que fazem essa avaliação, a principal justificativa é a incerteza política, mencionada por 40,3%. Outros 31% dizem que este é um mau momento porque a recessão econômica irá continuar. Há ainda 11,9% que constatam que suas vendas estão diminuindo.

Inadimplência de clientes
A inadimplência dos clientes também pode ser um fator a mais para fazer os MPEs esperarem mais tempo para fazer investimentos e aumentar seus negócios. Questionados sobre o comportamento de sua carteira de clientes, 40,9% dos micro e pequenos empresários dizem ter clientes com contas em atraso - 36,8% dizem não tê-los porque só vendem com cartão ou dinheiro. Entre os que possuem clientes com dívidas em atraso, 60% afirmam que a inadimplência aumentou na comparação entre 2014 e 2016.