Notícias

Voltar

 

Notícia publicada no dia: 17/02/2015

Armadilha das dívidas deve ser evitada neste ano

Quem está endividado corre o sériorisco de descontrolar as contas em 2015. Se a pessoa tem algum investimento, a recomendação da maioria dos especialistas é sacar para quitar o débito. Isso porque a taxa de juros da melhor aplicação dificilmente supera a paga em uma dívida. É o que fez a auxiliar administrativa Gabriela Ribeiro de Castro Setti, 22.

No rotativo de dois cartões de crédito, ela acabou entrando também no cheque especial. "Aí um banco me ligou para negociar o cartão e ofereceu um empréstimo. Peguei o empréstimo, juntei com o 13º salário e quitei as dívidas. Mas precisei tirar dinheiro da poupança."

  Editoria de Arte/Folhapress  

A decisão de Gabriela foi acertada, na avaliação de Aquiles Mosca, do Santander. "As pessoas geralmente têm dificuldade em mexer no dinheiro aplicado. É preferível resgatar os investimentos, pagar a dívida e voltar a fazer o esforço de guardar quando a situação se regularizar."

Na avaliação de Thiago Alvarez, sócio do site GuiaBolso, se for por um período curto, não vale a pena cobrir o rombo na conta-corrente com algum investimento.

"Quando você faz uso do cheque especial por pouquíssimo tempo, de um a cinco dias, e sabe que é algo que não vai se repetir, não compensa retirar a aplicação. Uma vez que resgatou fica mais difícil recomeçar a poupar. E os juros de um ou dois dias são suportáveis."

Outra ressalva é feita se a dívida for de longo prazo, como de imóvel ou do carro. "Pegar o investimento para quitar o débito pode não ser uma boa ideia se comprometer a reserva de segurança."

RENEGOCIAR SEMPRE

Quem não tem de onde tirar dinheiro tem que apelar para a renegociação da dívida, caso as parcelas estejam pesando no bolso, afirma Amerson Magalhães, diretor da Easynvest.

"Tem que reduzir o tamanho da dívida, renegociando o empréstimo. Isso vale para quem não tem fonte de renda e está endividado", disse.

A dica vale principalmente para quem tem dívida no cheque especial e no rotativo do cartão de crédito, modalidades de crédito com as maiores taxas de juros no mercado. "Negocie para trocar por um empréstimo pessoal ou um consignado, que têm juros mais atrativos", afirma.

EMPREENDEDORISMO

O ano não é favorável para abrir um negócio próprio. Quem insistir deve ter pelo menos seis meses de dinheiro para sustentar a empresa na fase inicial. Aqueles que já estiverem nesse caminho devem fazer de tudo para não perder clientes e ameaçar o negócio. A dica é cortar ao máximo os custos, sem mexer na qualidade, para poder reduzir preços se tiver que disputar clientes.

Para Carlos Wizard Martins, da rede Mundo Verde, o empreendedor não precisa desistir do sonho de abrir sua empresa. "Uma dica é, em vez de começar do zero, optar por uma franquia. Dá para ter uma noção da aceitação no mercado e economizar com o marketing."